Todas as publicações por inter25

Brasil terá portaria sobre energia solar em imóveis populares

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, informou na última quinta-feira (11) que será lançada em breve a portaria que prevê a instalação de energia solar nos imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida. Araújo recebeu o resultado de um estudo para a implementação da energia solar nos empreendimentos do programa habitacional.

“Com esse estudo apresentado hoje, vamos trabalhar esta sexta-feira, segunda-feira e terça-feira, para transformar esse trabalho em uma portaria, uma determinação, para que o programa Minha Casa, Minha Vida comece estabelecendo [essa instalação]”, disse o ministro, ao participar de evento na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). “Semana que vem, seguramente, vamos ter notícia sobre essa nova regra se incorporando ao programa habitacional brasileiro”, afirmou.

Mais cedo, em evento na prefeitura de São Paulo, o ministro disse esperar que, no ano que vem, as unidades habitacionais do programa possam ser entregues à geração de energia alternativa. “Nós elaboramos um protocolo com a Fiesp e com Furnas – hoje receberemos o resultado desse estudo, avaliaremos e transformaremos isso numa portaria. E vamos determinar que, a partir de 2018, o programa Minha Casa, Minha Vida possa começar a gerar energia solar, o que vai baratear as contas dos beneficiários do programa.”

Segundo Araújo, o projeto vai “impulsionar a indústria nacional, reduzir custos, viabilizar a redução da conta de energia das famílias de baixa renda e ajudar a tirar uma carga dos demais sistemas tradicionais de geração de energia”.

O estudo

De acordo com o estudo, o custo das moradias não sofrerá alteração com a implantação da energia solar, que será instalado no telhado das edificações. Apresentando o estudo, o vice-presidente do Conselho Superior da Construção, Manuel Rossitto, explicou como o sistema de produção de energia solar seria custeado pelos beneficiários da Faixa 1 do programa. “O proprietário da residência adquire o sistema fotovoltaico junto com a unidade habitacional, com o valor embutido nas prestações que serão pagas pelo imóvel, possuindo o incentivo natural para manutenção e conservação do sistema.”

A implementação de energia solar fotovoltaica no programa foi proposta pela Fiesp em dezembro do ano passado e é resultado de um protocolo de intenções entre a entidade e os ministérios das Cidades e do Trabalho. No sistema fotovoltaico, a energia elétrica é gerada por meio da radiação solar.

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia, explicou que o beneficiário do programa gastar menos com a conta de luz, ao usar a energia solar. “Conforme as estimativas que foram apresentadas hoje, um consumidor da Faixa 1 do programa tem consumo na faixa de 100 Kwh [quilowatts/hora] por mês de energia elétrica. Esse consumidor, com o sistema projetado com a energia solar, poderá gerar, em sua própria residência, 70 Kwh por mês. Isso significa que ele está tendo uma economia de 70% no gasto de energia elétrica que ele tem no seu dia a dia.”

De acordo com Sauaia, a energia solar não vai substituir a energia tradicional. “Ele [beneficiário do programa] continua aproveitando a energia da rede elétrica. O sistema fotovoltaico complementa, gerando energia limpa. E a energia adicional [de] que a habitação precisar poderá ser obtida da rede”, explicou.

Fonte: Instituto de Engenharia

Petrobras divulga edital de concurso para 954 vagas, salários vão de R$ 3,6 mil a R$ 9,7 mil

A Petrobras divulgou hoje, dia 14 de agosto, edital de processo seletivo público para 954 vagas em cargos que vão do nível médio ao superior. Do total, 159 oportunidades são para preenchimento imediato e 795 para cadastro de reserva. Os salários vão de R$ 3.681,63 a R$ 9.786,14.

5% das vagas são reservadas para pessoas com deficiência e 20% para negros. A Cesgranrio é a organizadora responsável pela seleção.

As oportunidades são para os polos de Alagoas, Sergipe, Amazonas, Alto do Rodrigues (RN), Mossoró (RN), Natal, São Mateus (ES), Rio de Janeiro e Sudeste – Anchieta (ES), Angra dos Reis (RJ), Bertioga (SP), Cubatão (SP), Duque de Caxias (RJ), Guarujá (SP), Itaboraí (RJ), Itanhaém (SP), Macaé (RJ), Rio de Janeiro, Santos (SP), Seropédica (RJ) ou Vitória.

As inscrições podem ser feitas de 15 de agosto a 4 de setembro pelo site www.cesgranrio.org.br. A taxa é de R$ 47 para nível médio e R$ 67 para nível superior.

As provas objetiva e discursiva serão aplicadas em 1º de outubro, nas cidades de Natal, Maceió, Aracaju, Manaus, Rio de Janeiro, Vitória, Macaé (RJ), Santos (SP) e Vitória.

O processo seletivo terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado, uma vez, por igual período.

Os dois últimos processo seletivos da Petrobras foram realizados em 2014 e 2015. Em 2014, foram mais de 8 mil vagas em cargos de níveis médio e superior. Foram 310.893 candidatos inscritos, cerca de 470 candidatos por vaga.

Petrobras

Vagas: 954

Salário: R$ 3.681,63 a R$ 9.786,14

Inscrições: 15 de agosto a 4 de setembro

Taxa: R$ 47 e R$ 67

Prova: 1º de outubro

Mais informações, acesse aqui.

Brasil terá escola referência em uso de madeira para projetos de arquitetura e engenharia

Um grupo de profissionais de diversas partes do Brasil lança esta semana, em São Paulo (SP), o Núcleo de Referência em Tecnologia da Madeira – uma iniciativa inédita e pioneira no país, cujo objetivo é disseminar o uso responsável desta matéria-prima em projetos de arquitetura e engenharia por todo o Brasil.

O Núcleo de Referência em Tecnologia da Madeira será uma associação que, neste primeiro momento, vai funcionar como uma escola e oferecer cursos para arquitetos, engenheiros, designers e profissionais de incorporadoras que queiram entender todas as potencialidades do uso da madeira em obras e como utilizá-la de modo inteligente, responsável, sustentável e contemporâneo.

Entre os profissionais envolvidos no Núcleo estão representantes do terceiro setor, empresas privadas e parceiros do poder público. Além de oferecer cursos e capacitações, esta nova organização também vai desenvolver projetos e produtos culturais. Ela vai trabalhar ainda com prestação de serviços, desenvolvimento de pesquisas e locação de ambientes para coworking.

Sede

Segundo o coordenador geral do Núcleo de Referência em Tecnologia da Madeira, o arquiteto Marcelo Aflalo, o Núcleo vai funcionar, neste primeiro momento, numa sala do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), no Butantã, na capital paulista. No entanto, já existem planos de construção de uma sede própria.

“Este projeto da nova sede prevê a criação de um local totalmente autossustentável, com 80% dos seus elementos em madeira e geração própria de energia, dentro dos mais modernos conceitos de sustentabilidade”, explicou.

A edificação será utilizada como um grande show room, apresentando as múltiplas possibilidades do uso da madeira com área para exposição, xiloteca (que reúne amostras de madeira), salas para realização de oficinas e reuniões. A expectativa é que em até dois meses esteja definido o local de construção deste espaço.

Aflalo é o sócio-proprietário da Universidade Design, de São Paulo (SP) – um escritório dedicado ao trabalho com design e arquitetura que possui, em seu portfólio, vários projetos arquitetônicos feitos com madeira.

Benefícios socioambientais

O especialista de conservação do WWF-Brasil, Ricardo Russo, afirma que este núcleo vai suprir uma demanda existente hoje na cadeia produtiva da madeira.

“Hoje, não existe nenhuma organização no Brasil que se dedique a trabalhar este tema desta forma. Temos CNPJ próprio, estatuto e diretoria constituída – e por isso queremos trabalhar com projetos diversos, para mostrar o que é possível de ser feito com madeira e os benefícios socioambientais existentes neste processo”, afirmou.

Ricardo lembrou que o uso responsável da madeira na construção contribui com a gestão das florestas públicas brasileiras; auxilia na conservação da biodiversidade; e, por conta da estocagem de carbono que ocorre nas peças de madeira, ela ajuda a diminuir os efeitos e prejuízos das mudanças climáticas. Ela também é um material renovável que pode ser utilizado de diversas maneiras.

 

Fonte: Instituto Engenharia

Conheça o óculos que transforma energia solar em eletricidade

Um bom par de óculos ajuda a proteger os olhos de diversos tipos de raios ultravioleta. Mas, imagine que a incidência solar que, em excesso, pode acarretar em consequências graves ao ser humano, pudesse ser aproveitada para um fim nobre: a geração de energia solar. Não é genial? Pois um instituto alemão já está se encarregando de desenvolver tal produto.

São os pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Karlsruhe (KIT) que criaram um óculos usando células solares orgânicas, que são flexíveis e têm espessura finíssima, acopladas nas lentes. E se engana quem pensa que por causa da tecnologia o modelo tem um design muito diferente do comum. As lentes das células solares foram ajustadas a uma moldura comercial, tendo uma espessura de aproximadamente 1,6 milímetros e pesando cerca de seis gramas – assim como as lentes de óculos de sol tradicionais.

O mais bacana é que os óculos solares não dependem exclusivamente da incidência do sol -, eles também funcionam em ambientes internos, como dentro de um escritório e até de uma sala de estar.

“Os óculos solares que desenvolvemos são um exemplo de como as células solares orgânicas podem ser empregadas em aplicações que não seriam viáveis utilizando a energia fotovoltaica convencional”, ressalta o estudante de doutorado Dominik Landerer, que contribuiu para o desenvolvimento dos óculos solares. Ele salienta que tais células são adaptáveis em cor, transparência, forma e tamanho à aplicação desejada.

Alexander Colsmann, chefe do Grupo de Energia Fotovoltaica Orgânica no Light Technology Institute (LTI) do KIT, vê o futuro destas células solares na aplicação de edifícios. A ideia é que os módulos orgânicos sejam colocados em fachadas de vidro de prédios altos, aproveitando toda a luz solar absorvida em energia elétrica. 

 

Fonte: Instituto de Engenharia

Esta escola dinamarquesa está completamente coberta com mais de 12.000 painéis solares

Uma escola de 25 mil metros quadrados na Dinamarca foi coberta por 12 mil painéis solares, que fornecem mais da metade de suas necessidades de eletricidade. Ao contrário da maioria dos edifícios movidos a energia solar, os painéis não estão apenas no telhado da escola. Na verdade, mais de 6.000 metros quadrados da fachada está revestida de energia fotovoltaica.

Os dias de esconder as matrizes solares desagradáveis ​​estão ficando no passado. A escola internacional de CF Møller Nordhavn, em Copenhague, usa painéis solares para produzir energia limpa – e também como parte da estética do edifício.

Os painéis solares foram desenvolvidos pelo instituto de pesquisa suíço EPFL (École Polytechnique Fédérale de Lausanne). Os equipamentos são realmente claros; A bela cor verde do mar é resultado da tecnologia que adiciona partículas finas à superfície do vidro, dando a aparência de cor. O resultado é um tom verde reflexivo que varia com a luz, proporcionando à escola um exterior atraente que é bonito, funcional e verde.

 

Fonte: Engenharia é

Estudantes holandeses criam carro biodegradável

Eindhoven, Holanda – O que é feito de açúcar, pode transportar quatro pessoas e viajar a 80 quilômetros por hora? Um carro biodegradável, cujos inventores dizem poderá ser o próximo passo no automobilismo ecológico.

O carro elétrico leve, criado por estudantes na Holanda, é feito de uma resina derivada de beterraba para produção de açúcar e coberto com folhas de linho cultivado na Holanda.

“Somente as rodas e os sistemas de suspensão ainda não são produzidos com materiais biológicos”, disse Yanic van Riel, um dos desenvolvedores da equipe TU/Ecomotive da Universidade de Tecnologia de Eindhoven.

A estrutura do carro que eles chamam de Lina tem uma relação força-peso semelhante à da fibra de vidro e pesa apenas 310 quilos.

Mas o protótipo ainda não passou por testes de colisão, porque o material “não vai se dobrar como metal, mas quebrar”, disse o líder da equipe, Noud van de Gevel.

A equipe TU/Ecomotive planeja testar o Lina no final deste ano, assim que receber a aprovação da Autoridade de Veículos da Holanda.

 

Fonte: Exame

Cientistas criam proteína usando eletricidade e dióxido de carbono

Cientistas da Universidade de Tecnologia Lappeenranta (LUT) e VTT Centro de Pesquisa Técnica da Finlândia desenvolveram um processo único que permitiu a produção de proteína. O estudo usou eletricidade e dióxido de carbono para desenvolver o procedimento inovador que será adequado ao consumo humano e animal.

Idealmente, este novo procedimento de produção de proteína não exige solo agrícola fértil. O professor Jero Ahola, explicou como sua tecnologia de produção de alimentos pode trabalhar de forma eficaz em vez de uma produção agrícola.

“Em comparação com a agricultura tradicional, o método de produção atualmente em desenvolvimento não requer uma localização com as condições para a agricultura, como a temperatura certa, a umidade ou um certo tipo de solo. Isso nos permite usar um processo completamente automatizado para produzir a alimentação animal necessária em uma instalação de contêiner, por exemplo “.

Além disso, o método não usa produtos químicos, que são muito comuns na produção convencional para se livrar de pragas.

“O método não requer substâncias de controle de pragas. Somente a quantidade necessária de nutrientes semelhantes a fertilizantes é utilizada no processo fechado. Isso nos permite evitar impactos ambientais”.

Os cientistas afirmam: “A mistura é muito nutritiva, com mais de 50 por cento de proteína e 25 por cento de carboidratos”, disse  Pitkänen. “O resto é gorduras e ácidos nucleicos. A consistência do produto final pode ser modificada alterando os organismos utilizados na produção “.

 

Casa dobrável fica pronta em 10 minutos

Engenheiros britânicos desenvolveram uma casa dobrável que está conquistando a internet. Disponível em vários formatos e tamanhos, a residência é capaz de se desdobrar em dez minutos e abriga, além de quartos e salas, cozinhas e até mesmo banheiros.

Batizada de Ten Fold, a empresa responsável pelas unidades ainda ressalta que a casa tem também um caráter nômade e, sempre que preciso, pode ser dobrada, com os móveis dentro, e transportada em um caminhão para o novo endereço.

Para a mágica acontecer, tudo que o morador precisa fazer é apertar um botão e esperar. O segredo está em uma espécie de braço sanfonado que guia as estruturas em diferentes direções, permitindo que, no final, a casa tenha até três vezes o tamanho do bloco original.

Os criadores de Ten Fold esperam revolucionar o mercado imobiliário do Reino Unido, criando uma opção acessível para que as pessoas tenham a chance de adquirir “a casa própria”, ao invés de se render a aluguéis altíssimos, e, ainda por cima, desfrutem dela em qualquer lugar que forem.

Fonte: Casa Vogue

ten-fold-folding-house-designboom-newsletter

Suíça inaugura maior ponte suspensa para pedestres do mundo

SUÍÇA – Foi inaugurada na Suíça, neste último fim de semana, a mais longa ponte suspensa para pedestres do mundo.

Com 494 metros de comprimento, a Europabrücke (Ponte Europa, em português) foi construída em meio aos Alpes Suíços a uma altura de 85 metros.

A nova ponte, com cabos que pesam pelo menos oito toneladas para que não balance, liga as vilas de Zermatt e Graechen, no sul do país europeu, informa a rede britânica BBC.

A nova ponte supera a alemã Titan-RT, de 458 metros, inaugurada em maio deste ano na cidade de Oberharz am Brocken. A terceira maior é a SkyPark, em Sochi, na Rússia, com 439 metros, segundo informações da rede de TV alemã Deutsche Welle. / EFE

 

Switzerland Bridge

Chineses se preparam para inaugurar a maior ponte do mundo

A maior ponte do mundo está prestes a ser inaugurada na China.

Com um comprimento de 50 km, a passagem deve começar a ser usada no final de 2017, um ano após o prazo planejado.

A maior parte da ponte, que liga Hong Kong, Zhuhai e Macau, já foi finalizada.

Só a pavimentação levou três anos para ser completa. A construção como um todo começou em 2009.

A Rio-Niterói, que era a segunda maior ponte do mundo no ano de inauguração, 1974, tem 13,29 km e levou seis anos para ficar pronta.

Fonte: BBC Brasil